O psicoterapeuta disse que sou hiperativo. A criação deste blog surgiu pouco depois de ser assim diagnosticado. Segundo o site especialista Hiperatividade (que já existia antes do meu blog, mas eu não sabia!), os portadores deste distúrbio são freqüentemente rotulados de "problemáticos", "desmotivados", "avoados", "malcriados", "indisciplinados", "irresponsáveis" ou, até mesmo, "pouco inteligentes". Mas garante que "criativo, trabalhador, energético, caloroso, inventivo, leal, sensível, confiante, divertido, observador, prático" são adjetivos que descrevem muito melhor essas pessoas. Eu, particularmente, creio que sou uma mistura disso tudo aí. Cheio de muitas idéias, muitos sonhos e muitos projetos. Muita vontade e muito trabalho. Muitas vertentes e muitas atividades. Sou editor-adjunto do Crônicas Cariocas. Não deixem de visitar minhas colunas: Cinematógrafo; Crônicas; Poesias; e HQs. Ah! Visitem o Magia Rubro Negra , site de apaixonados pelo Mengão, para o qual tive o prazer de ser convidado a fazer parte da especial equipe!!!

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Micos no Magia – Por Fabrício Mohaupt e André Costa

micos no magia banner

O amigo Conrad Rose, do Muqueca de Siri, rubro-negro apaixonado e que está escrevendo a biografia do querido presidente Gilberto Cardoso, sugeriu a seguinte ideia para a nossa coluna. Trata-se de um Mico de um técnico que é simplesmente aquele que mais comandou o Mengão em toda a nossa história. Foram 746 jogos com um aproveitamento de 64,08%.

Flávio Costa nasceu no Rio de Janeiro, no dia 14 de setembro de 1906 e faleceu no dia 22 de novembro de 1999, foi o primeiro ex-jogador do Flamengo a virar técnico do Clube. Também foi o técnico que mais comandou a equipe rubro-negra na história do clube com mais de 400 vitórias. O fato mais marcante de sua passagem pelo clube foi a conquista do Tricampeonato Carioca em 42/43/44.

Outro fato importante é que Flávio Costa é o técnico que mais conquistou títulos oficiais dirigindo o Flamengo, sete ao todo, o mesmo número de títulos conquistados pelo técnico Carlinhos. Conquistou os Campeonatos Cariocas de 1939, de 1942, de 1943, de 1944 e de 1963; o Torneio Aberto do Rio de Janeiro de 1936; e o Torneio Relâmpago do Rio de Janeiro de 1943.

A primeira passagem de Flávio pelo Flamengo foi em 1934 e durou até o ano de 1938. Flávio teve ainda mais outras quatro passagens pelo clube, de 1938 a 1945, uma passagem curta no ano de 1946, outra passagem em 1951 e 1952 e a ultima passagem foi de 1962 a 1965. Esta última deu origem a uma crônica do compositor brasileiro mais conhecido no seu país e no exterior, Ary Barroso. Nela, critica abertamente o Presidente Fadel Fadel por muitas coisas, inclusive a recontratação de Flávio Costa depois do que fez em 53 e é o motivo da nossa coluna.

O fato é que Ary foi à casa do técnico acompanhando o Presidente Gilberto Cardoso para convencê-lo a permanecer no cargo, para que não abandonasse o clube, seus amigos e seus atletas. Depois de algumas horas, a esposa do treinador, convidou o poeta a ir até o seu quarto. Lá, a senhora Costa abriu seu coração e deixou falar a voz da consciência: “Ary, não adianta nada vocês apertarem o ‘velho’: ele já é do Vasco!”. Traição! Ele já estava acertado com o nosso maior rival.

Castigo, entretanto, vem à cavalo. Gilberto Cardoso, sobre as cinzas de um técnico que se foi, construiu o monumento de um novo técnico, contratando aquele que era conhecido pelo apelido de “El Brujo”, Fleitas Solich. Com ele, o Flamengo arrancou para o segundo tricampeonato (1953, 1954 e 1955), o que deve ter deixado o traidor com uma enorme dor de cotovelo. Além disso, Flavio Costa acabou ficando com um grande mico no ombro, mais ou menos como no cartum abaixo.

Flavio Costa e o Mico

Querem ver o cartum do André em tamanho original? Cliquem aqui.

MAGIA NELES!!!
EQUIPE
Magia Rubro Negra
andre@magiarubronegra.com.br
fabricio@magiarubronegra.com.br

Opacidade!

Quando eu digo que o grande problema do nosso país chama-se Congresso Nacional e que também responde por Senado Federal, dizem que estou exagerando. Olhem isto:

video

terça-feira, 28 de julho de 2009

Cansei!

video

Milésimo!

A expectativa para o jogo era fantástica. Não era um embate qualquer. Era o milésimo jogo do Flamengo em brasileiros e seria disputado em um lugar em que nunca vencemos no campeonato nacional. Além disso, um dos maiores ídolos da nossa história estaria dirigindo a equipe, o “velho tromba”, o grande guerreiro Andrade!

A partida começou e foi dura… de se ver. Passes errados, trombadas e faltas em profusão. Léo Moura errando tudo e dando passes para o ataque santista. Ainda assim, a equipe da casa jogava recuada como se fizesse uma partida fora de casa e o Mengão se viu o senhor do jogo, mesmo jogando mal. Não havia ligação entre meio-campo e ataque mais uma vez. Apenas chutões em direção aos atacantes.

Assim, no segundo tempo, quando o Santos fez um a zero, quando estávamos melhor na partida, parecia que a escrita continuaria, uma vez que nos perdemos em campo. Felizmente, Adriano acertou um petardo de fora da área cheio de curva e igualou o placar, recolocando o Mengão no jogo de novo.Nosso comandante interino resolveu arriscar e colocou o jovem Bruno Paulo e, logo depois, Fierro. Com sua estrela brilhando, os dois participaram da jogada que resultou no segundo gol e garantiu a vitória fora de casa. Uma partida mal jogada, mas que trouxe um belo resultado histórico. O Andrade merecia ser o técnico que disputou e venceu o milésimo jogo do Flamengo em brasileiros e que quebrou o tabu de não vencer na Vila Belmiro.

Valeu por ver o “velho tromba” emocionado e homenageando o nosso querido goleiro Zé Carlos. Verdadeiros rubro-negros que amam o clube, o escudo e toda a história e tradição que nos levam a ser conhecidos como o mais amado do mundo. São estes que realmente tem sangue rubro-negro nas veias. São estes que nos dão orgulho.

Como rolará a semana? Quem será o novo técnico? Será que o Andrade será efetivado ou será que a “diretoria” inventará um novo nome? Há a ideia de efetivar o Andrade e colocar o Fabio Luciano como auxiliar. O que pensam sobre isso? Quem vocês acham que deve assumir o comando do time?

MAGIA NELES!!!

EQUIPE Magia Rubro Negra


sexta-feira, 24 de julho de 2009

História bem contada

O Contador de Histórias, que estreia no dia 07 de agosto, apresenta a vida de Roberto Carlos Ramos, considerado um dos dez maiores contadores de histórias do mundo. A película de Luiz Villaça é rica, pois dispõe de uma história fantástica muito bem conduzida na telona.

Aos seis anos, Roberto Carlos Ramos é internado por sua mãe em uma instituição para menores carentes em Belo Horizonte, que, segundo uma propaganda da TV, preparava crianças para serem ‘médicos, advogados, engenheiros’. Dotado de imaginação fértil, chega aos 13 anos analfabeto, com mais de 100 fugas no currículo, várias infrações e o diagnóstico de irrecuperável. O encontro com uma pedagoga francesa muda, para sempre, a vida de Roberto.

Apesar de toda a violência pela qual passa, que é mostrada sem eufemismos, o filme leva-nos pela vida fantástica deste menino que era considerado irrecuperável, mas que mudou completamente ao encontrar o afeto de uma pedagoga francesa que estava fazendo uma pesquisa no Brasil.

Há passagens deliciosas, como a história da caneta que assinou a Lei Áurea, na participação de Chico Diaz, que conclui com uma afirmação para lá de acertada da personagem da portuguesa afrancesada Maria de Medeiros. A cena do banco é impagável; conseguem imaginar um assalto a banco feito pelos Jackson 5 e família? Aliás, são várias as cenas que podem calar fundo no coração e fazer os olhos verterem lágrimas de alegria e de tristeza.

Fico envergonhado em admitir que nunca havia ouvido falar neste Roberto Carlos, mas, ao ler a entrevista de Luiz Villaça, fiquei mais tranquilo: Em janeiro de 2002, coloquei meu filho Nino, então com três anos, para dormir e comecei a ler um livro que ele ganhara de Natal: O Contador de Histórias, de Roberto Carlos Ramos. Era um livro de histórias e na última página encontrei um resumo da vida do autor, de quem nunca tinha ouvido falar. Fiquei completamente tomado. No dia seguinte falei com a Denise, consegui o telefone do Roberto Carlos com a editora e liguei para ele. Quando falei da ideia de fazer um filme, ouvi: “Não estou acreditando. Acabei de chegar de um congresso de contadores de história nos Estados Unidos e alguém da platéia me falou, ‘esta história tem que virar um filme!’. Trouxemos ele para São Paulo e durante algumas horas, diante de um gravador, Roberto Carlos contou a sua história, chorou, nós choramos. Somente depois descobri que ele já tinha estado no programa do Jô e dado uma entrevista histórica.

Somos apresentados aos atores Marco Antonio Ribeiro, Paulo Henrique Mendes e Cleiton dos Santos da Silva que são Roberto Carlos aos 6, 13 e 20 anos. O primeiro faz a fase inocente para revoltado; o segundo, a fase irrecuperável para a volta por cima; o último, além de narrar, representa a transformação e a busca por saber mais e por transmitir sua alegria. Todos muito bem, em especial o menino Paulo Henrique Mendes.

Creio que o grande mérito do filme é saber contar a história (com trocadilho, por favor). Seja por meio de um tema musical, seja por meio de metáforas (maravilhosamente usadas numa cena de fuga, marcando a transição de uma fase à outra) ou por meio da sensibilidade que Villaça imprimiu em toda a película. Tudo bem dosado e bem pesado. É filme para ser visto e revisto.

Nota 9

video

Selo ESTE BLOG ME FAZ SORRIR

Muito obrigado a TODOS os leitores que já passaram por este blog.

Recebi um selo, que posto logo abaixo junto com as regras:

-Fazer referência ao selo e publicá-lo
- Divulgar as regras
- Partilhar cinco coisas que gostamos de fazer
- Indicar 10 blogs a quem se envia o selo
- Informar cada um dos blogs.


Adoro escrever, ler, cinema, minha família, namorar, não necessariamente nesta ordem! ;)

Selo - ESTE BLOG ME FAZ SORRIR - Entregue pela Nat Valarini do blog http://garotapendurada.blogspot.com/

Indicados:

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Tesouros do Magia 1 - Por Fabrício Mohaupt e André Costa!

Estávamos conversando, eu e o André, sobre a coluna Micos no Magia quando ele veio com uma ideia muito interessante: fazer uma coluna para relembrar e enaltecer bons momentos ou aqueles que honraram o nosso Manto Sagrado. Ainda trouxe sugestões para o nome e escolhemos Tesouros do Magia. Começamos a pensar em quem falaríamos primeiro: Zico? Junior? Outros craques do passado? Aí, a coluna Panorama Esportivo do Jornal O Globo mudou tudo.

Decidimos falar sobre um cara que, em tempos de problemas em campo e extra-campo no futebol do mais amado, mostrou que tem amor ao clube que o criou, projetou e que foi defendido com garra e empenho sempre, mesmo quando a técnica dele não estava nos melhores dias. O nome deste Tesouro do Magia é Ibson Barreto da Silva ou, simplesmente, Ibson.

Ele nasceu em Niterói, no dia 7 de novembro de 1983. Chegou à Gávea em 1992, com apenas nove anos de idade e, já nas divisões de base, assumiu a condição de habilidoso meio-campista. Em 2003, depois de levantar a Taça Belo Horizonte pelo time de juniores, o atleta estreou no time profissional num Clássico dos Milhões, diga-se de passagem, com vitória.

Em 2004, conquistou a Taça Guanabara e o Campeonato Carioca, além de ter sido vice-campeão da Copa do Brasil. Seu talento era evidente e abriu os olhos dos clubes europeus. Assim, ao fim deste mesmo ano, o jogador já havia se transferido para o Porto de Portugal. Lá, sagrou-se bicampeão português pelo Porto, nas temporadas 2005/2006 e 2006/2007. Mas a saudade falou mais alto e ainda em 2007, o jogador estava de volta ao Flamengo.

Sua segunda passagem pelo Fla deu-se em circunstâncias de verdadeira declaração de amor. O atleta, mesmo sendo pretendido por outros clubes, preferiu ajudar o Flamengo, que vivia uma situação dificílima, correndo inclusive risco de ser rebaixado para a segunda divisão. Contudo, a experiência, unida à dedicação em campo, fez que aquele time protagonizasse uma das mais emocionantes arrancadas já vistas e classificasse o time para a Taça Libertadores da América do ano seguinte.

Em 2008, conquistou a Taça Guanabara e o Campeonato Carioca e se tornou um dos dez maiores artilheiros do clube em Campeonatos Brasileiros. Em 2009, conquistou a Taça Rio e o Campeonato Carioca. O problema é que o seu contrato encerrou-se neste mês de julho. O Flamengo apresentou ao Porto, detentor dos seus direitos federativos, uma proposta que girava em torno de nove milhões. O clube português, porém, recusou, e o jogador fez sua última partida na sua segunda passagem pelo Fla contra o Vitória-BA no dia quatro de Julho.

Mas o que nos levou a falar sobre ele? A matéria do Panorama Esportivo dizia que na véspera do jogo com o Internacional, pela sétima rodada do Brasileirão, seu Laís, pai de Ibson, recebeu um telefonema de Fernando Carvalho, dirigente do Internacional, afirmando que estava tudo acertado com o Porto para que o jogador defendesse o time gaúcho. Carvalho teria dito ainda que Fernando Gomes, dirigente do clube lusitano, entraria em contato com Ibson para esclarecer a negociação e quanto caberia ao jogador. De fato, Gomes ligou para Ibson, quando este já estava concentrado, pedindo que ele não enfrentasse o Inter, pois completaria sete jogos e não poderia mais atuar por outra equipe no campeonato. A resposta de Ibson foi simplesmente uma declaração de amor ao Mengão: “O senhor tem todo o direito de me ligar e me pedir para não jogar. Mas só que eu vou jogar. No Brasil, só jogo no Flamengo!”.
Se todos os nossos jogadores tivessem este espírito, este amor, seríamos muito mais do que somos, não haveria outro clube no mundo capaz de fazer frente ao nosso, em nenhum aspecto. Por esse comprometimento, por esse empenho e por esse amor, Ibson é e sempre será um dos Tesouros do Magia.

Querem ver o “super” cartum do André em tamanho original? Cliquem aqui.

MAGIA NELES!!!

Amonímia


Neste momento para lá de azado,
Pareço um amante incipiente,
Sinto-me como se fosse asado,
Mas nem um pouco insipiente.

Minhas mãos não param de suar,
O coração apertado em um laço,
Tremo como se fosse sino a soar,
Sustentado por um tênue fio lasso.

Meu sentimento é flagrante,
Simplesmente deixo-o fluir,
Tudo em você é fragrante,
Nada mais há que queira fruir.

Seu brilho faz-me cegar,
É fogo que paixão acende,
Faz, qualquer tristeza, segar,
É amor que a alma ascende.