O psicoterapeuta disse que sou hiperativo. A criação deste blog surgiu pouco depois de ser assim diagnosticado. Segundo o site especialista Hiperatividade (que já existia antes do meu blog, mas eu não sabia!), os portadores deste distúrbio são freqüentemente rotulados de "problemáticos", "desmotivados", "avoados", "malcriados", "indisciplinados", "irresponsáveis" ou, até mesmo, "pouco inteligentes". Mas garante que "criativo, trabalhador, energético, caloroso, inventivo, leal, sensível, confiante, divertido, observador, prático" são adjetivos que descrevem muito melhor essas pessoas. Eu, particularmente, creio que sou uma mistura disso tudo aí. Cheio de muitas idéias, muitos sonhos e muitos projetos. Muita vontade e muito trabalho. Muitas vertentes e muitas atividades. Sou editor-adjunto do Crônicas Cariocas. Não deixem de visitar minhas colunas: Cinematógrafo; Crônicas; Poesias; e HQs. Ah! Visitem o Magia Rubro Negra , site de apaixonados pelo Mengão, para o qual tive o prazer de ser convidado a fazer parte da especial equipe!!!

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Ser Flamengo!


Pediram-me que fizesse um texto sobre o Flamengo. Sentei de frente ao computador e fiquei olhando para a tela. Olhava para o branco do papel do Word imaginando por onde começar. Será que deveria começar falando sobre a época em que Zico jogava e que foi a magia daquele Flamengo que me conquistou? Do último brasileiro conquistado por um time desacreditado capitaneado pelo maestro Júnior? Da época pós-copa de 94 na qual Romário veio para mostrar que sempre foi rubro-negro? Do último tri-campeonato, em que cada conquista foi em cima do rival mais amado, aquele da colina que em finais só nos dá alegrias? Do último bi-campeonato, em que cada conquista foi em cima do vice da vez, aquele da estrela solitária?
Pensei, pensei e pensei. Cheguei à conclusão de que falar sobre o Flamengo é falar sobre minha vida, pois a presença rubro-negra é constante. Não há um só dia em que eu não fale nessa paixão. Em que eu não busque notícias. Em que eu não me emocione de alguma forma. Em que eu não brinque com um torcedor rival ou que eles não brinquem comigo. Creio que é a relação mais duradoura que já tive e terei. O impressionante é que o amor só aumenta. É o único amor que, mesmo diante das mais expressivas decepções, não arrefece, muito menos fenece.
Ser rubro-negro é ser parte de algo gigantesco, que não pode ser mensurado. Não há torcida maior, mais apaixonada, mais bonita ou mais vibrante. Os arcoirianos reconhecem isso. Mesmo que digam bobagens sobre sermos um bando de pobres selvagens. O Flamengo é popular mesmo, mas é popular em qualquer classe social. É o clube de maior torcida em qualquer setor social, do mais rico ao mais pobre. Infelizmente, vivemos em um país em que a pobreza é dominante, mas, nem por isso, você vê o mais miserável cidadão rubro-negro esconder as cores da sua nação, mesmo nos momentos mais difíceis. Nossa camisa, nosso manto, cheira a suor e sangue rubro-negro, nunca a naftalina como as da maioria dos arcoirianos.Ser Flamengo é motivo de orgulho! É ter diversas músicas de artistas famosos cantando sua paixão. É ter tradição, amor e raça! É, mesmo quando ele não vai bem, ser feliz! É gritar ao mundo que não há clube mais amado e que nunca haverá. É dizer que somos uma nação e não haver contestação porque não há argumentos que isto consigam. É vir, ver e vencer! Seja na terra, seja no mar. É ser uma vez para ser sempre. Ser Flamengo é, em suma, o mesmo que viver!Magia Neles!

2 comentários:

Pedro Henrique disse...

Muito legal o texto, Tito. E você, como bom flamenguista, vai ter o orgulho de ver o Grêmio ser tri!!!

Tito disse...

Meu caro,
teu Grêmio perdeu o rumo. Acho bom tu torceres para o Mengão, pois periga o Palmeiras ser campeão. Torce para o Fla manter o embalo e chegar ao Hexa que, como bom flamenguista, é o que me trará muito orgulho!!!
Que passeio ontem, hein?! Logo no Grenal!